h1

Contos perdidos II

agosto 5, 2010

A maldição de  Prometeu

Acorrentado, imóvel, deitado, indiscreto, vivo…Dos olhos cansados  de Prometeu a vista acabara de perder o que a restava de azul. Aquele vento frio lhe dizia que era hora de tirar sua mente da montanha e distribuir sua dor pela paisagem. Seu olhar calmo daria medo até nos cérebros mais cruéis, agora ele era superior. Lançava sobre o horizonte um ponto de vista firme e comovente, o organismo trabalhava no seu máximo, quase à exaustão, usando o que lhe resta de energia para o abrir e fechar das pálpebras. O andar agora é um sonho muito distante.Tão perto e tão longe do céu, malditos justos, lhe tiraram a morte. Justa injustiça.

Prometeu avista uma ave preta em seu cansado campo de visão e em um surto de extravagância enérgica olha para baixo e sussura: “Vós viveis de tudo…menos de vida!” cuspindo para o nada em seguida. Não se sabe o que acontecera com sua saliva,  só se sabe que ela não lhe fez falta.

Sem som ou aviso,  lá vem ele…ele se aproxima com o seu brilhante terno preto e um olhar traiçoeiro, observa aquele homem tão vivo, mas já falecido, o encara como quem fará um questionamento impecável. Para por alguns segundos, e como um míssil ele aponta seu bico para o coração de Prometeu. Em um ato  raivoso come o seu coração com uma assustadora vontade. A cara suja de um vermelho forte não hesita em olhar o rosto do pobre defunto, e sua boca tremendo dispara: “Acabo de quebrar sua maldição, acabo de lhe dar vida…Em troca, finjo estar satisfeito em comer esta mesma comida. Eis a minha maldição!”

Uma insustentável revolta


Sentado em um local confortável, talhando sua própria existência, é tudo o que se faz ao entardecer desse dia. O ar puro que vai deixando seus pulmões oxigenados, os pensamentos  a todo vapor, fazendo assim toda a programação sair do ar. Os olhos não mais assistem o mundo do jeito que o cérebro quer,  só você e o sol, cara a cara. Quem vai cair primeiro? Quem vai se virar primeiro? Qual dos dois realmente é o centro?

As pessoas diminuem o ritmo, sentem os mesmos sintomas, mas só você sabe a causa. O astro rei é ofuscado e você logo se enche de prazer e grita aos quatro cantos que é o dono do mundo.Logo essa estrela indiscreta sai de cena, tudo o que queria para se encher de glória, porém não consegue ser mais o mesmo.A lua te suga com aquele olhar calmo, e incrívelmente você acata as ordens e cai em um sono profundo. Enquanto dorme, a lua comanda a noite sem grandes concorrentes, a não ser os noturnos que agora se divertem, mas que antes sucumbiram diante do sol.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: